17 Nov 2016

OrdEM realiza palestra sobre “Histórias da drenagem pluvial em Maputo”

OEM

A Ordem dos Engenheiros (OrdEM), com o apoio da Direcção Nacional do Abastecimento de Água e Saneamento,realizou, a 17 de Novembro, uma palestra subordinada ao tema: Histórias da drenagem pluvial em Maputo.

A palestra foi proferida pelo Professor Catedrático da Faculdade de Engenharia da Universidade Eduardo Mondlane, Álvaro Carmo Vaz, que falando a uma plateia composta maioritariamente por engenheiros e estudantes de engenharia, discorreu sobre a configuração da urbe e as suas infra-estruturas de drenagem, desde adécada de 50, quando parte do que é hoje a Cidade de Maputo ainda era pântano e praia, até aos tempos actuais.

Referiu-se ao período entre os anos 1960 e 1970, afirmando que nesse intervalo a urbe registouum crescimento explosivo e ainda não tinham sido erguidas as grandes obras de drenagem das águas pluviais. Isso só veio a acontecer no período pós-independência, com a intervenção de uma empresa holandesa, a DHV, cujas infra-estruturas construídas na época vieram a resolver grande parte dos problemas com as quais a cidade se debatia, relacionados com a gestão das águas pluviais.

No entanto, segundo deu a conhecer o primeiro bastonário da OrdEM, a situação veio a regredir em 2000, após a ocorrência das cheias que afectaram grande parte das infra-estruturas até então construídas e assim tem se mantido até os dias actuais. Um exemplo disso é a Av. JuliusNyerere que, tendo sido cortadas pelas enxurradas de 2000, a sua reposição só aconteceu recentemente, decorridos 16 anos.

Nesse sentido, descrevendo a situação actual, o Professor considerou-a de regressão. Sustentou que a situação actual é resultado da expansão desordenada e má gestão urbana, que se consubstancia, entre outros aspectos, na ocupação desregrada do solo urbano, falta de infra-estruturas adequadas de drenagem e de investimento para sua construção, falta de manutenção e de educação ambiental e a não resolução de problemas enquanto são de pequena dimensão.

Entretanto, considera o Professor Vaz que, apesar dessa situação, não estamos perante uma fatalidade, pois, embora não seja fácil, ainda é possível reverter esse quadro. Durante o encontro houve ainda espaço para comentário e colocação de questões que foram sendo prontamente respondidos pelo orador.